terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Resultados

Não foram detectadas anomalias cromossómicas nas metafases examinadas.
Cariotipo normal de um feto do sexo masculino.

Chorei quando li o relatório. Não sei se era disto que estava à espera. A verdade é que, ao que tudo indica, o nosso bebé morreu sem nenhum motivo aparente. Restam 1001 incertezas que podem ir desde uma malformação cardíaca até uma infecção minha. A médica que me faz as ecos acabou por, mais uma vez, transmitir algum conforto aos nosso corações. É preferível um resultado destes, significa que não temos que nos preocupar com problemas genéticos em situações futuras.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Da personalidade

Ou do grandessíssimo mau feitio.

A Rita tem carinha de anjo. E é só isso que ela tem de angelical. Falava eu há dias do seu parco vocabulário mas há uma palavra que ela diz na perfeição, que repete milhares de vezes por dia e à qual costuma associar o lançamento em força e distância de algum objecto que tenha à mão - normalmente a chucha, a fralda de pano e o kiko niko; hoje atirou com um prato de plástico e já tem ameaçado com coisas piores - NÃO! Também costuma atirar-se para o chão e espernear ou então fica de pé, firme e hirta da cintura para cima, a bater com os pés freneticamente no chão. Temos cenas destas todos os dias, várias vezes ao dia, sempre que é contrariada - e acreditem que ela é contrariada muitas vezes.

Hoje começou na sesta da manhã, cheia de sono, a esfregar-se toda, berrava que nem uma doida e eu ouvia, do lado de fora da porta, os seus preciosos objectos a serem arremessados e a cair no chão. Até as meias costumam ganhar asas e voar daquelas mãozinhas e hoje não foi excepção. Eu espero sempre um bocado e depois lá vou apanhar tudo e devolver à excelência que, consoante a disposição, ou desiste e adormece ou volta a repetir o ciclo. Não sei se inspirada pela cerimónia dos Óscares, hoje a cena repetiu-se estoicamente até eu me fartar e a tirar da cama sujeitando-a, inevitavelmente, a uma "tortura de sono".

A ideia era antecipar o almoço dela para o meio-dia e depois voltar a deitá-la, coisa que já tenho feito vezes sem conta. Pois que a madame, assim que viu a sopa, começou a gritar os seus "nhão"! E eu a pensar "deves estar a brincar"! Sentei-a à mesa e os "nhão" continuaram, arremessou com a chucha, pôs as mãos à frente da boca e começou a abanar a cabeça. Sinceramente, ando tão cansada que me limitei a pegar nela e enfiei-a na cama sem almoço. Gritou, berrou, esperneou, atirou com as coisas até acabar por ceder ao sono. Dormiu duas horas e quando acordou estava eu a ganhar coragem para lhe dar o lanche: sopa, arroz e hambúrger. E foi isso mesmo que fiz. Devorou três conchas de sopa e comeu o segundo prato. Não quis a fruta e eu não insisti porque já lhe tinha dado durante a manhã.

Esta miúda vai começar a pagar a tinta que compro para disfarçar os brancos. Tem um feitio intempestivo. Quando embica, por exemplo, que quer andar ao meu colo não há quem a demova - minhas ricas costas. Quando tento pô-la no chão ela engancha as pernas à minha volta e às vezes sou obrigada a deitá-la no chão para conseguir que me largue. E depois temos, invariavelmente, o "drama, o horror".
And the Oscar goes to...
Acabei de telefonar para a MAC e os resultados da biópsia estão prontos. Vou buscá-los amanhã.
Nem vale a pena falar no imenso buraco que se me abriu no estômago...

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Das crias

Eles estão melhores. Sem febre, bem dispostos e a recuperar o apetite. Ainda com alguma tosse e ranho. Foi uma semana de doidos. Depois da medicação começar a fazer efeito, parece que ficaram os dois speedados. O João hoje achou que era um bom dia para derreter o que resta da nossa sanidade mental e esticou a corda até ao limite. Já nem vejo bem a direito... Tudo fruto de 1 looooonga semana fechados em casa. Ele amanhã já vai ao jardim-de-infância e espero que consigamos voltar à nossa rotina.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

4 anos (quase)

Como falta pouco tempo para o João fazer os 4 anos, aproveitámos para ele fazer a consulta de rotina na pediatra. Estava convicta que a criança tinha para aí 16 kg e afinal, tem "só" 19kg - parece um lingrinhas, mas engana bem. De altura tem 1,05 m. Mediu a tensão pela primeira vez e estava normal para a idade (9/6).

Quanto às minhas questões, relacionadas com o facto de ele se recusar a beber leite sem ser pelo biberão e ainda usar fralda à noite, a pediatra disse que não é preocupante. Principalmente se tivermos em conta que ele tem sido um menino que toma a iniciativa em relação a todas estas etapas: deixou a chucha, a fralda de pano (xmata) e a fralda durante o dia por vontade dele e nunca teve retrocessos. É dar tempo ao tempo e respeitar o timing dele.

A outra coisa que me andava a suscitar dúvidas está relacionada com a descoberta do corpo e da sexualidade. Pois que o João agora passa a vida a mexer e acariciar a pilinha. Isto só acontece em momentos de pausa - a beber o leite e a ver televisão. A médica recomendou que não ralhassemos nem o mandassemos estar quieto porque poderia ter o efeito inverso. O ideal é distraí-lo com outra coisa quando virmos que ele o está a fazer.

E assim vai o nosso bebé que já é um menino crescido :)

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Consultas

Os dois com a garganta cheia de pontos brancos. Os dois com febre.
A Rita durante a tarde voltou a ultrapassar os 40 graus de temperatura. A Rita, além da garganta miserável, está com otite nos dois ouvidos e com o pulmão direito com expectoração.
Estão os dois a antibiótico e tenho tantos medicamentos para lhes dar que vou ter que fazer uma tabela para não me desorientar.
O papá também foi consultado e está a antibiótico, com uma valente inflamação nos brônquios.
Eu acabei ontem o antibiótico, mas continuo a sofrer com a gaita da sinusite e da rinite.
Só queria duas coisas: que chova entretanto e que fiquemos todos bem depressinha que eu já estou farta disto...

Mais do mesmo

Continuam os dois com febre. O João, com pouco apetite ou nenhum, continua a queixar-se da garganta e com uma tosse que mete medo... A Rita mal abriu os olhos para beber o leite da manhã e continua na cama a dormir - nada normal nela... Ao fim da tarde têm os dois consulta marcada na pediatra.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Revisão

Tive hoje ao final da tarde a consulta de revisão pós-aborto. O útero está limpo e recuperou bem.

De manhã tinha telefonado para a MAC para saber se já têm o resultado da biopsia das vilosidades coriónicas e nada... ainda não estão prontos. É só o que me falta saber para tentar encerrar este capítulo de vez.

Os meus doentinhos

O João teve um pico de febre ontem ao final da tarde, continua ranhoso e com muita tosse. A Rita passou o dia todo - e a noite também - com febre que baixava com o Ben-u-ron e com o Brufen, dando intervalos de 5 horas. Durante a noite chegou aos 40,1 de temperatura. Tem um olho inflamado, alguma tosse e muito ranho. Pedi à minha cunhada para vir cá vê-los e, à partida, será viral. Têm os pulmões limpinhos e as ranhocas não são amarelas. Os ouvidos e a garganta também estão bem. O estado geral deles, apesar de mais abatidos e rabugentos, até é bom, mesmo com febre. A Rita tem comido muito bem, melhor que o irmão. As traquinices têm sido uma constante e ainda bem. Disse-nos para vigiar e se a febre continuar ela volta cá para os reavaliar.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Rita...

... com febre.

Bela merda... :(

Amén!

Na sexta feira, no desfile de Carnaval do João, descobri que existe uma personagem - de quem até já tinha ouvido falar - que se chama Michel Teló, que canta uma música linda de morrer - ou não - que versa qualquer coisa como: "delícia, delícia, assim você me mata, ai se eu txi pego, ai se eu txi pego..." Confesso que no contexto "Carnaval" até eu abanei o raquiosque e dei às pernocas, a música fica no ouvido e já dei por mim a cantarolá-la agumas vezes - shame on me! :)

Isto tudo para dizer que a minha filha é a fã n.º 2 deste senhor. A n.º 1 sou eu. Porquê? Porque a miúda faz birras descomunais e chora e berra que se farta e esperneia e bate os pés, mas assim que ouve os primeiros acordes da musiquita a bombar no youtube vem a correr para o portátil e a metamorfose acontece. Ela dança. Ela ri. Ela bate palmas quando acaba a música. Ela pede mais. Ela fica vidrada a ver o vídeo. Obrigada Teló! És o maior, pá!

E a cereja no topo do bolo foi esta manhã, ainda bêbeda de sono, deitada ao lado do meu filho que supostamente está doente e não me deixou dormir toda a santa noite porque ardia em febre, ouvi-lo a cantolar para o ar "ai se eu txi pego, ai se eu txi pego". M-e-d-o!
...
O João continua ranhoso e com muita tosse, mas a febre ainda não voltou a dar sinais de vida. De qualquer forma, com ou sem febre, vai ficar o resto da semana em casa.

Febre is in the house

Ontem de manhã o João começou a ficar rouco, ranhoso e com tosse. Ao almoço queixou-se da boca (garganta) e durante a sesta chegou a febre. Dei-lhe ben-u-ron e assim que fez efeito ficou mais bem-disposto. Ao jantar só quis comer a sopa e a fruta. Dúvidas houvessem e fiquei logo sem elas. João sem querer comer significa que está a ficar doente a sério... Foi para a cama às 20h30 e às 23h30 chegou aos 39,5º C. Mais ben-u-ron. Como estava muito agitado e a delirar pedi ao papá para o trazer para outro quarto para eu ficar com ele a vigiar - e também para que a Rita não acordasse. Noite dos infernos. Ardeu em febre, mas assim que o xarope fez efeito não voltou a dar sinal. Escusado será dizer que não dormi nada, mas o mais importante é que ele acordou sem febre, pediu o leite e pediu para ver o Panda. Continua murcho, com muita tosse e muito ranho. A ver vamos como corre o dia de hoje.

sábado, 18 de fevereiro de 2012

Desta não tenho medo!

A minha aranha linda, que fez ontem 19 meses, a brincar ao Carnaval :)

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Boneco de neve

Hoje foi o dia do corso de carnaval "à séria". E foi também a primeira vez que o João andou de autocarro sozinho - sim, emocionei-me, fiquei com o estômago embrulhado, disse-lhe adeus do lado de fora do autocarro e fiquei mesmo de lágrima no olho. Podia, simplesmente, tê-lo levado eu, mas não quis privá-lo desta experiência e da felicidade extrema e entusiasmo que eu sabia que ele ia sentir. E não me enganei. Ele ficou doido de alegria, desfilou - eu e o papá , tal como outras mães e pais acompanhámos o grupo durante parte do (pequeno) percurso -, sempre entusiasmado e muito bem disposto.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

O meu Dartacão

Hoje começaram os festejos carnavalescos no jardim-de-infância do João. O tema de hoje era livre, mas amanhã irão desfilar com as máscaras feitas na escolinha. Ele escolheu mascarar-se de Dartacão e a avó tratou de lhe fazer a fatiota. Fui com a Rita vê-lo no pequeno desfile que fizeram hoje até ao largo da Igreja e achei-o muito murchinho, parecia envergonhado por ver tanta gente estranha. Quando o fui buscar depois do lanche já estava com a energia e o sorriso de sempre.

Miminho

Recebemos um "selo" destes amigos virtuais e já me estava a esquecer de responder - shame on me!
Não vou publicar a imagem nem passar o desafio a ninguém - quem quiser pode responder também -, mas aqui fica a minha participação, em que é suposto dizer 7 coisas aleatórias sobre mim.

1 - Sou mãe a tempo inteiro - e não abdicava desta oportunidade por nada deste mundo, embora às vezes me apeteça auto-internar-me no Júlio de Matos ou no Telhal - apesar de ir fazendo um ou outro "biscate" que me permita trabalhar em casa;
2 -  Adoro fazer bolos, é uma espécie de terapia;
3 - Sou viciada em chocolate (de leite) e Nutella;
4 - Adoro viver aqui mesmo, ao pé da "minha" praia e do mar - passava bem era sem tanta nortada nas ventas;
5 - Odeio passar a ferro;
6 - Não gosto nadinha de conduzir, principalmente durante a noite;
7 - Adoro ler e, graças aos filhotes mai' lindos da mãe, que dormem das 21h às 7h30 +/-, estou a conseguir retomar os meus hábitos de leitura.

Tão tudo

Estou tão cansada, tão "dorida", tão triste, tão desanimada, tão tudo que só me apetecia enfiar a cabeça na areia - tal e qual uma avestruz. Estou numa fase menos boa e só me apetecia fazer umas "férias da (desta) vida". Posso?

O mês de Fevereiro tem sido um mês de cão. E começou a ser sempre assim - pelo menos é o que parece - já faz dia 19 dez anos...

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Já cá faltava...

Estou doente. Comecei a "chocar" na semana passada, mas fui deixando andar... Uns dias melhor, noutros pior... hoje acordei com febre. Estou afónica, dói-me o corpo... a cabeça e os ouvidos. Fomos ao Centro de Saúde para ser consultada e aproveitámos para levar a Rita para a vacina dos 18 meses. Aproveitei e marquei também a consulta de revisão "pós-aborto" para a próxima semana. Foi a minha cunhada que me consultou e vim de lá com indicação para tomar antibiótico de 12 em 12h, anti-histamínico à noite, gotas para os ouvidos, brufen, ben-u-ron e água do mar para o nariz... A única coisa que me ocorre é: antes eu do que eles...
...
Para animar a malta... a minha Ritolas linda e bem-disposta :)

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Oftalmologista

Tanto eu como o papá cá de casa temos miopia e astigmatismo (eu corrigi ambos com cirurgia a laser em 2007) e, como tal, a minha oftalmologista já me tinha dito que seria importante o João ser avaliado aos 3 anos - e a Rita também será.

Levámo-lo hoje a uma consulta e, em relação à miopia e ao astigmatisto, está tudo bem. Ele tem é hipermetropia fisiológica, com a qual todos os bebés nascem, e que se costuma resolver por si mesma com o crescimento até aos 5 ou 6 anos. O que pode acontecer é que um dos olhos se torne mais preguiçoso se se verificar uma discrepância significativa dos valores em cada olho. O João tem uma dioptria a mais no olho esquerdo, o que não obriga a correção para já, mas obriga a vigilância. Daqui a dois anos voltamos lá.

Vim de lá muito orgulhosa do meu menino que se portou lindamente e esteve sempre muito concentrado, facilitando assim a observação e avaliação. Babaaaaaaaaaaaa! ;)

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Um ano depois

Há um ano atrás estavamos no 4º dia de internamento da Rita, por causa da pneumonia... Dias que não gosto de recordar e que me fizeram ganhar muitos medos e adiar-lhe experiências que nunca neguei ao João. A natação foi uma delas. Se o João iniciou antes de ter os 6 meses feitos, a Rita começou apenas hoje, quase aos 19 meses. E foi o delírio! Uma felicidade única. Ela chapinhava, esbracejava, atirava-se dos braços do pai para a água - eu ainda não pude ir para a piscina com ela - dava gargalhadas que se ouviam a milhas. E mesmo ao lado, separado por uma corrente de bóias, estava o João - que assim que acabou a aula dele foi a "nadacorrer" ter com o pai e com a mana.
Para a semana há mais :)

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Do amor

Descobrimos esta semana que o João tem, não uma, mas duas namoradas! A Lara e a Márcia. Não sei como é que ele consegue gerir o namoro duplo, mas ele também não parece preocupado :)

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Dela

Fomos hoje com a Rita à consulta dos 18 meses (quase 19) na pediatra. Está boa, com ar de reguila e recomenda-se :) Ultrapassámos a barreira dos 10 kg (yeahhhhh!). Está com 10,210 kg, 81,5 cm de comprimento e PC de 46 cm.
Nesta última semana romperam 3 caninos e o 4º está mesmo quase. Baba com fartura, ranho e rabiosque assado foi a dose que nos calhou. Agora está muito melhor.

A Rita nunca foi de beber muito leite e desde que mudou para o Mimosa Crescimento 1-3 anos ainda bebe menos. A vantagem é que já bebe o leite da caneca com uma palhinha (ao contrário do irmão que continua a beber o leite no biberão). A pediatra disse que desde que ela coma iogurtes não faz diferença se bebe muito ou pouco leite. Como ela gosta de petiscar dos nossos cereais (intregrais) também lhe podemos ir variando o pequeno almoço dando-lhe os mesmos, iogurte e pão ou papa.

Quanto à minha preocupação com o "atraso" na linguagem, disse para não me preocupar porque ela expressa-se muito bem e "fala" pelos cotovelos - nós é que não percebemos nada. Nisto é igual ao João que também começou a falar tarde. Vou continuar a fazer o que tenho feito: por exemplo, quando ela pede água ("águ" ou "ááá") eu repito a palavra correctamente. E quando percebo alguma coisa que ela quer digo a palavra (bolacha; chucha; cão; etc.).

De resto, e tirando a tosse seca que têm os dois, está tudo bem.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Para me entreter...

... e não passar o tempo a pensar em coisas tristes, lembrei-me de começar a organizar o aniversário do João (sim, sim, ainda faltam dois meses...). Já o ano passado fiz isto e correu bem; a vantagem de começar cedo é que se podem ir comprando as coisas que não se estragam ou que têm validade alargada aos poucos e assim não pesa tanto no orçamento.

O João pediu um bolo do Faísca - que novidade! - e, assim sendo, já encomendei nos Cenários Gulosos algumas coisas para decorar o bolo de casa e o do jardim-de-infância. Bolo de chocolate+Faísca são as únicas exigências do rapaz. Ah! E balões e chupas :)

O tio Rui também já recebeu todas as indicações para avançar com os convites e mais algumas coisas.

Estava agora aqui a olhar para a lista de convidados e deito as mãos à cabeça - no bom sentido! Somos mais que as mães e de ano para ano a lista vai aumentando. A nossa família chegada agrega nada mais nada menos do que 31 pessoas. Os amigos também são alguns - felizmente - e o n.º de crias tem vindo a aumentar :) E ainda não perguntei ao João se quer convidar algum amiguinho da escola, mas desconfio que há um que ele vai querer que venha (que por acaso é filho de uma amiga minha). Assim por alto, já vamos em 46 convidados entre crianças e adultos! O_O

Dele

- Pai, quero ir (para a cama) de pernas para o ar!
- Não, João, de pernas para o ar não.
(pausa para pensar)
- Então leva-me de cabeça para baixo!

:)

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

"Parasse a vida um passo atrás"

Ontem foi o dia mais longo da minha vida. Ou talvez tenha sido apenas o primeiro dia do resto das nossas vidas.

Dei entrada no serviço de urgências de obstectrícia do hospital da nossa zona às 10h em ponto. Tinha à minha espera a minha médica e mais algumas pessoas, entre enfermeiras, estagiários e auxiliares. Tudo explicado e deu-se início ao processo todo. Pôs-me 4 comprimidos vaginais e o objectivo foi sempre que o bebé saísse naturalmente, sem curetagem. Avisou-me que os comprimidos tinham como objectivo alargar o colo do útero e que demoravam cerca de 4 horas a começar a fazer efeito. E assim foi. Não tive muitas dores, o que sentia era semelhante a fortes cólicas mentruais, mas como comecei a ficar com febre deram-me paracetamol e relaxei um pouco. Neste meio tempo senti qualquer coisa a cair e a rebentar da minha barriga para as pernas e senti um líquido quente a escorrer. Nunca na vida me vou esquecer desta sensação. Pensei que tivesse sido a ruptura da bolsa porque não via sangue e chamei a enfermeira. Não era só a bolsa. A enfermeira tirou o bebé e quando estava a sair com ele fechado entre as mãos, perguntei-lhe se dava para ver se era menino ou menina. Era só isso que eu queria. Saber o que era. Ela ficou surpreendida com o meu pedido e disse que ia ver. Era um menino. Chorei. Estava sozinha desde manhã porque a ideia era ter ido para a enfermaria, mas como não me queriam pôr ao pé de mães com bebés, fui ficando nas urgências até arranjarem cama para mim. Entretanto chegou o papá, por volta das 17h, e ainda faltava sair a placenta. Deram-me um sedativo para relaxar e descansar e passei pelas brasas, fiquei mais para lá do que para cá. Como não havia meio de a placenta sair, eram cerca das 21h quando a médica me disse que iriam levar-me para o bloco operatório para a tirar, que seria simples, estava com o colo muito favorável e a placenta estava "à mão de semear". Nunca tinha entrado num bloco operatório. Tremia de frio. Anestesiaram-me e quando acordei já estava no recobro. Correu tudo bem, sem complicações. Fui, então, para a enfermaria onde fiquei em observação durante a noite. Estive sempre bem fisicamente e sem dores. Tive alta logo ao início da manhã. As recomendações da minha médica foram para que repouse dois ou três dias e depois ir voltando à vida normal. Reforçou que é muito importante descansar a minha cabecinha que precisa mais do que o corpo que reagiu muito bem.

Como eu já calculava, apesar de ter sido pelo motivo que foi, fui muito bem tratada, senti-me VIP num hospital público. Não ouvi barbaridades e o que tive à minha volta em todos os turnos foram pessoas e profissionais que me trataram com o maior respeito e carinho. Que se preocuparam e que me perguntavam se era o primeiro filho e quando lhes dizia que não me perguntavam pelos outros filhos. Apesar de para eles estas perdas serem comuns, para quem passa por elas dói e dói muito.