quarta-feira, 27 de março de 2013

30 semanas

30 já um número bem redondinho e entramos em contagem decrescente... Continuo completamente apaixonada por esta barriguita e nem os últimos percalços me fizeram diminuir o entusiasmo. Cumprindo as ordens da médica, já tenho as malas do Pedro feitas, só falta acabar de fazer a minha.

domingo, 24 de março de 2013

Brincadeiras

Hoje de manhã estiveram a brincar aos bebés e às mães.
Adivinhem quem era o bebé chorão?

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Há mais de dois anos e meio que não o via com chucha :)



quinta-feira, 21 de março de 2013

Consulta

Hoje tive consulta com a GO e falei-lhe na confusão toda que aconteceu na consulta no hospital e ela não ficou surpreeendida - sabe bem quem é a médica e como funciona aquele serviço. Desvalorizou, mas não se opôs a que faça as análises. Até porque ela foi a primeira a mandar-me tomar o Cartia quando tive o terceiro aborto, desconfiando que pudesse ser algum pequeno problema de coagulação. Escusado era a outra médica ter feito o teatro todo que fez... Adiante!

Tensão baixa; peso óptimo - em 7 semanas aumentei 2,5 kg. O Pedro está de cabeça para baixo, na "rampa de lançamento" e não parece ser muito grande, a julgar pelo tamanho do útero; tenho o colo do útero mole - não era suposto nesta altura; o que eu pensava serem cólicas intestinais e gases são, afinal, contrações... Além do ferro, do Cartia, do ácido fólico, do milflonide e do atarax - estes dois últimos para a bronquite alérgica -, tenho que tomar 3 ampolas de magnésio por dia... Sinto-me uma velha com tanta porcaria para tomar todos os dias... mas tem que ser.

Disse-me para desacelerar o ritmo, repousar mais vezes durante o dia e não apenas depois do almoço, não fazer esforços, não levantar pesos, evitar viagens longas de carro desnecessárias... o costume, portanto.

Relembrou-me que é fundamental estar atenta aos movimentos do Pedro, se notar alguma diminuição ou ausência de movimentos, principalmente depois de comer e em repouso, é sempre melhor ir ao hospital; para estar atenta a perdas de líquidos que não sejam urina, perdas de sangue e contrações regulares mesmo que sejam espaçadas. Estas 4 coisas têm ordem de marcha para as urgências.

Deu-me também a lista de "enxoval" para levar para a maternidade - e este pormenor lembrou-me do pouco tempo que falta... dois meses passam a voar!

A ecografia do terceiro trimestre já está marcada e as análises e electrocardigrama são para fazer na mesma semana. E já ficou a última consulta "oficial" marcada para as 35 semanas.

quarta-feira, 20 de março de 2013

29 semanas

E continuo a sentir-me muito bem! Nada de engordar à maluca, nada de inchaços... só tive uns dias de alguma ansiedade à conta de uma consulta a que tive que ir faz hoje uma semana mas, entretanto, já voltei ao meu modo zen.

Ora bem, a médica de família, na última consulta, já me tinha avisado que agora era obrigatório mandar todas as grávidas para uma consulta de imunohemoterapia no hospital para despistar a doença hemolítica do recém nascido - trocado por miúdos, a incompatibilidade de rh caso a mãe seja rh-. Apesar de eu estar careca de saber que sou rh+, lá tive que ir. Pensava eu que ia só "picar o ponto" e voltava para casa. Pois... tinha sido assim se não tivesse apanhado uma médica completamente alucinada.

Tentado resumir a coisa, assim que soube que este é o meu terceiro filho, mas que é a minha sexta gravidez, somou um mais um e concluiu que 3 abortos era "caso de estudo", mesmo não tendo sido todos seguidos. Mesmo sabendo que fui sempre muito bem seguida pela médica de família e pela minha ginecologista. Acho que a médica ficou cega e surda, absorvida nas suas teorias, e começou a debitar uma série de análises e exames para eu fazer e chegou a falar em mandar-me para Coimbra para ser seguida na consulta de gravidez de alto risco.

Falou em Lúpus, falou em trombofilia, falou em carências nutricionais... eu sei lá. Saí de lá completamente de rastos, nervosa e preocupada. E com vontade de a esganar. Logo naquele dia fiz uma colheita de sangue para análise e fiquei com nova consulta marcada para esta segunda feira. Lá fui eu, a rezar para ela não estar tão alucinada como na consulta anterior, e tive sorte. As análises estão óptimas. Apenas indicam uma infecção, muito provavelmante, derivada da crise de sinusite que tive durante umas semanas. A anemia está muito melhor. O meu rh é mesmo positivo e não tenho anticorpos a circular no sangue - que era, afinal, o objectivo principal da consulta. Os valores da protrombina e da velocidade de coagulação estão normalíssimos! Ainda assim, lá me disse que provavelmente não deve ser nada do que ela sugeriu na primeira consulta, mas que ia fazer as análises xpto na mesma, "só por curiosidade" (palavras da médica). Estou só à espera da autorização da directora do serviço para ir fazer as análises na próxima semana.

Enfim, respirei fundo... como há casos de tromboses na família directa, aproveito e fico já a saber se tenho ou não algum problema no sangue. E ainda tenho que lá voltar às 36 semanas para repetir as análises e para nova consulta... Que os anjinhos me dêem paciência!

terça-feira, 19 de março de 2013

O nosso dia

Ontem ao final da tarde começámos a sinalizar a data e, com a ajuda do João, fizemos umas bolachinhas para o dia do pai. Hoje, o papá foi passar a manhã ao jardim de infância do João e levou a Rita. Houve um espectáculo de magia, música e animação. Também recebeu o presente feito no infantário. Pelo que ele contou, o João estava a rebentar de alegria - para não dizer histérico!

Depois, fomos almoçar os quatro ao shoping e demos uma voltinha. Ao final da tarde, foi com o João à natação, onde os pais puderam participar na aula dos miúdos. Chegaram a casa exaustos... mas felizes!

Feliz dia do pai!


segunda-feira, 18 de março de 2013

Pavilhão do Conhecimento

Ontem fomos com os miúdos e com uns amigos ao Pavilhão do Conhecimento. Deliraram assim que entraram e se avistou a exposição de dinossauros que está logo à entrada. Acho que o João chegou a entrar numa espécie de transe de felicidade. Além dos dinossauros, têm outras exposições muito giras. Acabámos a visita na sala onde puderam, entre muitas outras coisas, simular que andavam na lua e onde se colaram a uma "parede". Eles divertiram-se à grande - e nós também! Uma visita a repetir, com toda a certeza, e que recomendo vivamente!



sexta-feira, 15 de março de 2013

Whatttttt?!

“- Vens com o pai, Rita?
- Xim.
- E a mãe, também vem?
- Mãe fica a caxa.
- A mãe fica em casa a fazer o quê?
- A lavar a loixa.“

terça-feira, 12 de março de 2013

Conversas difíceis

Estava à espera do dia em que ele me perguntasse como é que o bebé entrou na minha barriga. Para essas perguntas eu estou preparada. Mas não foram essas que chegaram...

Ontem, um João angustiado, chegou ao pé de mim e, do nada, começou a perguntar quando é que ia morrer. Se era quando fosse muito velhinho como os avós do pai. Perguntei-lhe porquê; disse-me que tinha medo, que não queria ser velhinho nem morrer.Tentei explicar-lhe a "lei da vida", do nasce, cresce, envelhece e morre, simplificando ao máximo. Mas ele insistia na mesma tecla, que não queria morrer. Eu, já angustiada com a conversa e sem saber o que lhe dizer e como lhe explicar uma coisa que para mim é tão complexa, já estava de lágrimas nos olhos. Dei-lhe um abraço e um beijinho e disse-lhe para não se preocupar e para não pensar mais nisso...

Hoje falei com a educadora e com a auxiliar para saber se ele na escolinha também mostra algum medo ou se fala nisso - até agora não deram por nada e não se aperceberam de conversas sobre a morte entre os miúdos.

Como é que se explica a morte a uma criança que ainda não tem 5 anos? A uma criança que, felizmente, ainda não passou pela perda e pelo luto de ninguém? E de onde é que ele foi tirar esta conversa? Como é que ele tem medo da morte se não sabe o que é? - digo eu...

segunda-feira, 11 de março de 2013

Da gravidez

A menos de 3 meses de ter o Pedro nos braços, posso afirmar que tenho vivido esta gravidez com uma traquilidade que nunca julguei possível. Andei nervosa e ansiosa até fazer a ecografia do primeiro trimestre e assim continuei, mas em modo qb, até começar a senti-lo mexer todos os dias. Acho foi por aí, pelas 19 ou 20 semanas, que comecei a respirar mais fundo.

Não considero a gravidez o estado de graça que muitas mães referem. Detestei a gravidez do João e a da Rita também não me traz recordações muito boas. Não gostei nadinha dos repousos forçados, dos sustos e da barriga crescente no último trimestre. Só me lembrava do mau estar, da azia, do vomitanço, da engorda, da cara desfigurada - da Rita, então, parecia uma lua cheia - das noites mal dormidas, da ansiedade para saber se estavam bem e de querer que o 8º mês voasse que eu não aguentava mais.

Não sei se foi pelas circunstâncias em que o Pedro "chegou", se foi pelos dois bebés que perdi antes dele, ou se é por achar que, possivelmente, esta será a última gravidez que vou viver, já não tenho a visão negra do "estado de graça" que tive das outras vezes. Não me importo com o mau estar - que não é assim tanto -, não me importo com as noites mal dormidas porque ele se lembrou que às 4h da madrugada é uma boa hora para começar a dançar cá dentro. Ainda esta noite me fez isso e, em vez de me lamuriar, ri-me. Ri-me mesmo, com vontade. Não vivo em ansiedade com os dias que antecedem as consultas, não conto os dias que faltam para a próxima, e penso que última, ecografia "a sério" - que ainda nem marquei, ups!. Já me passou a fase em que andava preocupada com a possibilidade de vir a ter pouco líquido amniótico outra vez e ficar confinada ao repouso.

A única coisa que quero é desfrutar. É mesmo isso: desfrutar deste bebé, desta modesta barriguita e do imenso amor que sinto cá dentro. Todos os dias. Ando sempre com os olhos rasos de lágrimas - sou uma chorona... - por tudo e por nada. Porque me sinto grata por poder, agora, apreciar as coisas boas que desvalorizei nas gravidezes anteriores.

sábado, 9 de março de 2013

Apetites

Parece que chegaram para ficar os lanchinhos nocturnos. Não tem falhado muito... todas as noites, por voltas das 4h30 da madrugada, acordo com o Pedro aos pontapés e o estômago aos roncos. Terei chegado à fase da engorda?...

E quando...

... eles espirram com  boca cheia de comida?

Um mimo!...

quarta-feira, 6 de março de 2013

E quando...

... nada parece funcionar?

O João anda numa fase péssima. Ou então sou eu que não sei mesmo lidar com isto das birras. Tem dias maravilhosos. E depois tem outros em que, do nada e por coisas de nada, descompensa. Fica completamente descontrolado - mas descontrolado mesmo! - e nada o faz parar e acalmar. Tentar conversar não resulta. Uma palmada não resulta. Gritar não resulta. Deixá-lo espernear até se cansar não resulta. Pô-lo no quarto não resulta. Os castigos não resultam. Leva-me ao desespero porque não sei mesmo o que fazer para que ele se acalme.

Num dia foi porque queria pão antes do almoço e eu não lhe dei. Hoje foi porque embirrou que queria levar bolachas para lanchar na escolinha - porque é o que um dos colegas dele leva para lanchar - e eu disse que não - ele lancha sempre iogurte e pão. Basicamente, é o "não" e o ser contrariado que desencadeiam estes ataques. Hoje, a caminho do infantário, tive que parar o carro duas vezes para ver se ele se acalmava e tive que lhe dar uma palmada... foi o caminho todo a gritar, a contorcer-se, a chorar e a dar pontapés nas costas do meu banco. E, seja porque motivo for, vai sempre a chorar e a gritar o que quer na altura - hoje era o "mas eu quero levar bolachas para lanchar na escola". Isto repetido até ao infinito. E a minha paciência, com muita pena minha, não é infinita...

Sinto-me frustrada e fico triste com isto. Não sei mesmo, de todo, o que possa fazer mais.

segunda-feira, 4 de março de 2013

Dele

Ontem saiu-se com esta pérola:

- Hoje está um dia mesmo bom para eu ir apanhar ondas com a minha prancha! Podemos ir à praia?

:)

sábado, 2 de março de 2013

Consulta e chocolate

Ontem tive consulta de saúde materna no centro de saúde. O peso está óptimo, estou com 68 kg, aumentei apenas 3 kg desde o início da gravidez (yessssssssssss!) e a ver se não deixo a coisa descontrolar-se no terceiro trimestre. Da anemia já sabia que estava pior o que, a juntar-se à tensão baixa, explica as tonturas que tenho de vez em quando. De resto estava tudo bem e ouvimos o coração do Pedro. Volto lá daqui a 5 semanas.

Da parte da tarde, aproveitando a tarde fantástica que estava, fomos buscar o João um bocadinho mais cedo e fomos a Óbidos ao Festival do Chocolate. Ele ficou doido - mais a atirar para o histérico - de alegria. Correram, saltaram, brincaram e comeram uma sombrinha de chocolate cada um.

Ainda tivemos a feliz coincidência de encontrar a Rita, o Bruno, o Edu e os gémeos. Fiquei tão contente por, mesmo tendo sido por acaso, finalmente os ter conhecido ao vivo e a cores :) Os miúdos ficaram encantados com os bebés e a primeira pergunta do João foi: "mas, estes são bebés a sério?!" Em menos de nada já estavam todos como se conhecessem desde sempre - e nós também :)

Foi um dia cansativo, mas muito bem passado.