segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

...

Fomos esta manhã à MAC fazer a BVC (biopsia das vilosidades coriónicas). Foi um exame um pouco doloroso, mas o pior de tudo foi termos visto o nosso bebé todo formado, as perninhas, os braços, os pés, as mãos, a cabeça, tudo, mas sem vida, sem o pequeno coração a bater. A esta imagem tínhamos sido poupados até hoje e foi um enorme murro no estômago.

Depois deste exame, perguntei à médica como é que faríamos com o bebé (perdi a conta às vezes que já ouvi "não é um bebé, é um feto" e às vezes que pensei e algumas que respondi "para uma mãe é sempre um bebé"; também perdi a conta às vezes a que se referiam ao bebé como "FM" - feto morto; A falta de humanidade, respeito e sensibilidade para as situações de perda gestacional são assustadoras e davam pano para mangas...), que está sem vida dentro de mim quase há uma semana. A médica disse que o normal seria darem-me um comprimido e mandarem-me para casa, sendo posteriormente internada na MAC na quarta-feira onde ficaria pelo menos uma noite, para ver se se dava a expulsão (ou esvaziamento) de forma natural.

Sinceramente, não gostei nada do atendimento e da postura que tiveram connosco. O único interesse deles em que o bebé fosse "expulso" lá, e eles deixaram isso bem claro, uma vez que não é a minha área de residência e "trabalho não lhes falta", seria para depois o poderem esmiuçar e analisar a seu belo prazer. Ponderámos os prós e os contras e acabei por telefonar à minha médica que me disse que eles (na MAC) já tinham o suficiente para fazer o estudo genético com a colheita que fizeram da placenta e para ir ter com ela amanhã, às 9h, ao hospital para darmos início ao processo de expulsão (não sei como hei-de escrever isto... não é um parto, é certo, mas também não será uma mera "limpeza" ou "esvaziamento"...).

Fiquei aliviada por saber que vou para o sítio onde tenho sido sempre muito bem tratada, onde nasceram os meus filhos, onde, pelo menos, me sinto em casa - e estou mais perto de casa - e onde tenho tido sempre um acompanhamento profissional e competente, mas humano e afectuoso, de uma médica que sabe muito bem aquilo que estou a passar.

Estou triste, mas mais conformada... ao mesmo tempo que não vejo a hora de poder recomeçar a minha (nossa) vida do zero.

26 comentários:

Cris ♥ disse...

Não deve ser uma situação nada fácil... mas conforta saber que se está num sitio mais acolhedor.
Um beijinho grande cheio de força

Fi disse...

a minha mãe foi médica daquele hospital tantos anos, o meu pai director outros tantos e mesmo assim eu não quis que a minha filha nascesse lá. Infelizmente os relatos de cenas dessas (pelas quais eu tb passei quando me descobriram a lesão no colo do útero e tive de ser tratada a laser lá por um brutamontes...), são inúmeros. Acho que fizeste o melhor que terias a fazer, que é ires para um sítio onde te tratem como uma pessoa e ao teu bebé como o teu filho que partiu. Mereces dignidade e respeito, tens direito a eles. Muita força e coragem, deve ser tudo menos simples estares a passar por isto. E tinham-te poupado à imagem... era mesmo escusado. Um beijinho muito grande

SCAS disse...

um beijinho minha querida!

That Gal... disse...

Oh linda, deixas-me sem palavras... O meu coração esta tão apertado ao ler as tuas palavras. Vai tudo correr bem, força tá?
beijinhos graaaaaaaaaaaaandes...

Barriguita disse...

é certo que os médicos lidam com situações como esta todos os dias, mas para uma mulher que a vive, seja a 1.ª ou a 5.ª, não é fácil.

espero que corra tudo bem. Força e um xi!

liliana disse...

Muita força!

Beijinho

Lipa disse...

Beijinhos Mara e muita força!

Aline disse...

Deve ser uma fase bastante difícil e muito dolorosa de superar. Tens de ser forte. Não há provavelmente palavras que te consigam reconfortar muito. Talvez apenas saberes que estamos cá, deste lado para te apoiar e a torcer para que tudo corra da melhor forma.
Beijinhos

Teresa Costa disse...

Mara,

Nunca escrevi aqui uma linha, apesar de já ler há muito tempo. Tenho 2 filhos, um com 3 anos e uma com 6 meses. Entre estas duas gravidezes tive outra que acabou às 20 semanas, por ruptura prematura de membranas. Ao ler este post começaram a cair me lágrimas pela cara abaixo porque me senti muito retratada. Estava em casa quando perdi o líquido, em seguida fui para o hospital. Viraram o ecógrafo para mim e vi a minha bebé completamente sem líquido mas de mão na boca. Ainda hoje em dia tenho pesadelos com essa visão e na gravidez seguinte nunca olhei para o ecógrafo. Estive internada desde o momento que entrei no hospital (porque estava em perigo, atendendo a que tinha uma bolsa rota) até à interrupção da gravidez, 5 dias depois. Estive no corredor das recém-mães, a ouvir bebés a chorarem 24 horas/por dia durante esses 5 dias. E eu a saber que tinha a minha filha, dentro de mim mas que nunca a ia ouvir chorar. Não sei como não enlouqueci nesses dias e acho que o que me fizeram foi desumano. A interrupção propriamente dita foi horrível porque não levei analgésicos nem anestesia e sofri como nunca na minha vida. Mais uma vez, não porque tinha que ser assim mas porque fui tratada com uma frieza e uma falta de compreensão pela minha situação que nunca vou esquecer. A mim a palavra que me chocava mais era "aborto". Eu até hoje não consigo dizer em voz alta "tive um aborto". Odeio. não corresponde ao que eu sinto acerca da situação. Expulsão ou esvaziamento também me parece estranho... No meu caso, disseram me que só poderia ser chamado parto se tivesse mais 1 semana e uns dias de gestação, assim era mesmo aborto.
Dois meses e meio depois de tudo isto engravidei novamente. Hoje tenho aqui a minha filha que eu amo com todas as minhas forças e que muito me ajudou a relativizar a perda da minha outra bebé. Mas não se esquece e eu nunca esqueci e sei que nunca vou esquecer. Houve uma parte de mim que ficou para sempre com aquela bebé e eu gosto de pensar que um bocadinho dela também vive comigo.

Já me alonguei na escrita..

Quero deixar um grande abraço e muita força. Já percebi que a Mara está a reagir à situação, a conformar-se em vez de se render à tristeza. Acho isso óptimo e a melhor forma. Eu digo sempre que aceitei que aquele acontecimento faz parte da minha vida mas não a define.

Espero que tudo corra muito bem, que o recomeço chegue rapidamente.

Beijinhos grandes

Mamã Nocas disse...

Olá Mara
Desculpa só agora. Ainda não sabia o que tinha acontecido ao teu bebé.
Fiquei triste por ti...
A vida realmente dá tanta volta e mais volta. Depois de tanta coisa, aconteceu isto. Não têm sido fáceis os dias, emoções atrás de emoções.
A gravidez inesperada, mas tudo se levou com calma e apesar de ser inesperada estavas conformada e já feliz, agora uma noticia destas. Não sei o que te diga...
Fica aqui um beijinho virtual, muita força e olha por ti, tens dois tesouros lindos,o João e a Rita.

Abraço apertadinho

prlinpinpin disse...

Muita força que tudo corra da melhor forama possivel! Um abraço apertadinho :(
<3

Marta disse...

Para eles é SÓ mais um caso. É triste que assim seja.
Nem consigo imaginar pelo que estás a passar, só de ler bate uma tristeza muito grande.
Um beijo enorme para ti.

Tanita disse...

Mara, um beijo grande.

Muita força! <3

Ana Costa disse...

:( nem consigo falar.... :( muito força linda!

Lice disse...

Nunca tive tantas experiências em hospitais como tenho tido nestes últimos dois anos, e continuo a afirmar que até nisso temos de ter a sorte de encontrar um profissional que seja humano, que nos ajude a lidar com a nossa dor...
Fizeste a opção certa, de certo que o facto de conheceres a equipa, o lugar, te vai ajudar a ultrapassar este momento tão dificil.
Um beijinho grande cheio de força, tenho pena de não poder fazer mais para aliviar o que deves sentir :(

Tere disse...

Mais uma beijoka forte no coração ... tudo vai correr bem... e rapidamente vai tudo voltar ao normal com os teus dois reguilitas :)

Vânia e Mariana disse...

é indescritivel a falta de tudo que essa gente tem...não tem sentimentos e com toda a certeza nunca passaram por uma situação identica....
Um beijinho muito, muito grande para voces

Mamã Su disse...

Querida Mara, fiquei sem pinga de sangue ao ler este último post... Não há palavras, mas não queria deixar de te enviar um GRANDE BEIJINHO!

mãe pimpolha disse...

Muita força.
Beijinhos

Nina disse...

Tens que ter força. Muita força.
Beijinhos,
Nina

© ●TéTé £ XαVιєR● disse...

De pensamento em ti, SEMPRE, como se estivesse aí, simplesmente a segurar-te na mão...

Abraço FORTE!
Tété

Tita disse...

Oh Mara... Só a agora vi os teus post... tenho muita pena. Sinceramente nem me ocorre o que te dizer... beijinhos gdes e que corra tudo bem contigo...
Qto à MAC, já escrevi um post sobre isso, como me dosiludiu e só lá fui ver uma colega...

Bjinhos gdes, gdes

Gaiatas disse...

Compreendo cada palavra... e revivi o meu passado.

É triste sermos apenas números, SÓ mais UM... quando UM feto para nós é UM bebé, UM filho que assim que começa a crescer no nosso ventre, já faz parte da nossa vida.

Quero deixar-te uma beijoca muito grande ❤

Manuela disse...

Oh Mara um beijinho muito grande e toda a força do mundo.

Mamã Petra disse...

É verdade tudo o que disseste, e eu infelizmente tive de estar 2 semanas á espera e agora deram-me a medicação para fazer em casa, em casa sozinha com a familia, acho que vai ser uma experiencia terrivel e a minha cabeça não está a ajudar.

Beijinhos.

Mãe V e Pai T disse...

estou uns meses sem cá vir e quando começo a ler de lá para cá fico sem reacção. Oh caramba. Lamento imenso :( O destino é tramado e normalmente nestas situações gosto de o culpar porque como dizem tem as costas largas.
Beijinho grande e que este episodio menos feliz fique no campo das recordações mais vagas. beijinho nosso