quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Sozinhos em casa

Depois de um ano de muito pouco trabalho, o pai cá de casa foi "contratado" para trabalhar  na última semana de Julho e todo o mês de Agosto - precisamente o único mês do ano em que estão os 3 em casa. Confesso que, apesar de o rendimento extra ser mais do que bem-vindo, a minha reacção foi de semi-pânico. Ora, o que vou eu fazer durante tantos dias com os 3 em casa, tendo em conta que um deles tem apenas 2 meses e é um terrorista das maminhas?

Na primeira semana demorava cerca de 2h30 para me conseguir despachar a mim e aos 3. Com muito choro e gritaria pelo meio. O João e a Rita passam o tempo todo a embirrar um com o outro - o que me deixa doida. O João todos os dias me pede para fazer bolachas e ainda não consegui. E querem os dois "ajudar-me". Mas o tempo não estica e não chega para tudo. Tendo em conta que o pai vem almoçar todos os dias a casa e os mais velhos também comem e alguém tem que lavar, passar e arrumar a roupa - tanta roupa se suja nesta casa! - e dar conta das restantes tarefas domésticas fiquei com as manhãs - que começam às 7h e às vezes mais cedo - todas transformadas no verdadeiro caos. Sim, porque depois do almoço o João faz uma pequena pausa em que o ponho a ver um filme e a Rita dorme a sesta. E eu, eu sento-me no sofá com o Pedro pendurado nas mamas e assim fico em modo semi-comatoso durante um bocado. Depois voltamos ao caos inicial.

Esta semana já tenho a coisa mais controlada. Já stresso menos e consequentemente não se chora nem se grita tanto - bem, a Rita chora e faz birras por todos e ainda dava para mais alguns. Quando me despachar, despachei. Ontem ainda tentámos ir visitar os bisavós de manhã, mas batemos com o nariz na porta. E à tarde fomos passear, depois do pai ter chegado a casa que não me atrevo, ainda, a sair para grandes passeios e confusões sozinha com os 3. Hoje vou tentar ir ao talho que não tenho carne em casa. E dou graças ao Continente on-line e às mercearias onde me vou socorrendo em caso de emergência. E à minha irmã e ao meu avô que me vêm trazer o peixe a casa.

E vamos levando a coisa assim. Um dia de cada vez. Mas tenho a sensação de que quando acabar o mês me vou internar na casa de saúde mental mais próxima. Ou, como diriam os meus pais, "fizeste-os, agora atura-os"! :)

6 comentários:

Sónia disse...

Força amiga. Se com dois eu tenho dias em que dou em doida sozinha com eles em casa imagino tu com três. Mas aos poucos as coisas vão indo ao lugar e tudo se vai fazendo.
Beijinhos doces!!!

disse...

Realmente não deve ser nada fácil mas Mãe consegue tudo!...

Es uma super Mamã...

Relaxa e nada de stress vais ver que tudo vai correr bem!
Beijinhos ;)

Maria João disse...

És uma grande mulher Mara! Sei bem o que é ter dois "desse tipo" em casa 24h! Mas não sei o que é ter um 3º e, sinceramente, iria directa para um hospital psiquiátrico se tivesse na tua posiçao, portanto well done girl!!

plena disse...

Adorei a expressão" Pedro pendurado nas mamas" lool....olha Deus criou a mulher porque sabe que nós aguentamos isto tudo mesmo lol.Ah e tal vamos dar em doidas e coiso...mas depois caímos em nós e dizemos "já não vivia sem eles"!!!!!E olharmos para o lado bom nessas crises eheh!Olha agora eu recém divorciada com duas pestes que valem por 4 jasus....tou a dar em doida...mas são os meus companheiros!!!Força Mara...tu consegues!!!!Bjs da LP e companhia!

mãe pimpolha disse...

Eu com os gemeos, entre mamadas, fraldas,vesti-los e po-losno carro, ainda aliado ao terceiro filho, demorava uma hora e meia se estivesse sozinha. Mas como estou quase sempre por minha conta,jácom mais despachada e agora em pouco mais de meia hora, 45 minutos estou na rua.
tem que ser,não é?
Beijocas

Full-time Mom disse...

Pareço eu, mas sem o baby pendurado nas maminhas! Beijinho