quarta-feira, 13 de agosto de 2014

O mais difícil

O mais difícil não foi receber o diagnóstico. Foi pensar em cada um dos meus filhos enquanto assimilava as palavras: "tem um tumor maligno na tiróide". O mais difícil foi pensar que tinha que dar uma notícia destas aos meus pais... pelo telefone. E aos meus irmãos. E aos meus amigos. O mais difícil foi ir buscar os dois mais velhos ao jardim-de-infância com o mais novo debaixo do braço, enquanto fazia um esforço desumano para engolir as lágrimas e o medo. O meu momento de pânico e desespero chegou quando entrei com todos no carro. Caiu-me a ficha. Não percebia nada do que me estava a acontecer e tinha três filhos e o marido comigo no carro.

Tive um acompanhamento péssimo no hospital, no sentido em que ninguém me explicou que tipo de tumor era. Ninguém me falou em prognósticos. Ninguém me explicou os procedimentos. Nada de nada. Tive o meu momento e depois passei à acção. Se não está nas minhas mãos ter ou ao ter um tumor - é uma roleta russa -, está nas minhas mãos tentar fazer o melhor possível para perceber do assunto e, acima de tudo, procurar melhores médicos e pessoas para me acompanharem. E foi o que fiz.

Numa semana tive uma consulta de endocrinologia - sem contar com a hora que estive ao telefone com o médico enquanto ele, pacientemente, me explicava tintim por tintim tudo sobre este tipo de cancro - tive duas consultas de cirurgia endócrina, fiz análises e RX, fiz um TAC ao pescoço - que mostrou que, felizmente, tudo à volta está limpinho; já tenho a cirurgia programada para a primeira semana de Setembro e a consulta de anestesia marcada.

E é isto. Para mim o pior já passou. Daqui para a frente, será tudo em bom!

12 comentários:

susana paiva disse...

Meu Deus.... imagino a tua agonia, a tua dor...não uma dor física, mas sim ador no coração, um enorme aperto no coração. :( Agarra-te ao amor dos teus filhos e marido e tem muita força para enfrentar esta má fase da tua vida, desejo-te muita força e que tudo corra bem... bjs

Teresa Neves disse...

Retirado do meu facebook:
Teresa Neves
8/8 às 22:54 ·
Faz hoje um ano que fiquei sem chão! Tinha cancro a mama. Primeiro passo foi o mais difícil dizer aos meus o que se passava. Depois foi "simples" fiz tudo o que me aconselharam os médicos e mais o que acreditei ser o correcto para mim. Sou uma sortuda tive família e amigos ao meu lado! E pelo caminho ainda fiz mais umas amizades!
Passou, hoje estou recuperada, a vida voltou ao normal, claro que com alguns ensinamentos que nunca vou esquecer! Estou no meu sofá com a minha filhota a dormir profundamente no seu quarto. O que mais desejar?
Ainda por cima o novo corte de cabelo, dizem, fica-me melhor do que o antigo!
Obrigada a todos pelo apoio que e deram este ano!

Daqui a uma ano serás tu a dizer que já passou! Beijinho grande.
Se precisares de falar por favor entra em contacto comigo.

Gaiatas disse...

Ouvir a palavra tumor acompanhado de maligno parece que o nosso chão cai... ❤

Vai correr tudo bem querida ❤❤

Té Lima Pires disse...

Beijinho vai correr tudo bem, muita força.

Marlene, Simão e Martim disse...

Eu penso que depois de sermos mães/pais o que nos preocupa são eles. O medo, o pânico de não estarmos cá para eles.
Sei bem o que sentes. Há 1 ano quando tive de fazer uma eco mamária também eu tive medo, também chorava sempre que olhava para eles.
Mas vai tudo correr bem e o prognóstico é muito bom. Fizeste bem em procurar novos médicos. Um grande beijo super mulher!

Catarina disse...

Um beijinho muito grande, e de certeza que tudo vai correr bem. O principal é já estar tudo marcado, já seres seguida por médicos, etc, etc, e não andar em listas de espera. Conheço bem essa doença, é assustador, mas com força e coragem, tudo irá pelo melhor. Um beijinho grande.

Vera disse...

Vai correr tudo bem. Uma beijoca do tamanho do mundo e muita PAZ e SOSSEGO nesse coração.

Diana Vasco disse...

Ao ler-te o meu coração apertou... Que sensação horrível deves ter sentido.... :( Não quero imaginar-me a passar plo mesmo processo, apesar de saber que, tendo em conta o historial da minha família , estou em risco. Alegro-me com o facto de estares agora a ser orientada e por tudo ter sido detectado muito a tempo, antes de se ter espalhado e de te obrigar a tratamentos mais dolorosos. Descobriste porque tinhas sintomas ou em exames de rotina?
Muitos beijinhos e muita força, sim?
"A tempestade pode durar uma noite, mas a alegria surge pla manhã."

Amendoa_doce disse...

Hoje voltei ao teu blog por mero acaso e fiquei a ler este teu post e nem quero imaginar como te sentiste... Mas vais ver que vai tudo correr bem e que daqui a algum tempo todos estes dias não serão mais do que amargas lembranças. Beijinho grande

Andreia disse...

Que horror de hospital!
Imagino ao de leve o que sentiste porque só de pensar em faltar-lhes bato mal. Ainda bem que foi tudo pelo melhor e agora "só" falta a cirurgia!

disse...

Oh Mara,fiquei sem palavras...imagino como te sentes...

Um grande beijinho cheio de força,muita força.tu es uma mulher forte,vais conseguir!

sandra disse...

Bom dia, venho deixar o meu testemunho...
A minha melhor amiga passou por isto, passou e superou... Desejo que o mesmo aconteça consigo. Ela ainda amamentava o filho mais novo que tinha apenas 4 meses. Foi uma angustia. Felizmente em cada uma das etapas correu tudo bem e ficou sempre menos tempo internada do que era suposto. o segredo é fazer direitinho o que mandam. por exemplo, um tempo após a operação ela teve de fazer o tratamento de iodo, em que a preparação passo por evitar todo o iodo possível nos tempos antes do tratamento para o eliminar do organismo, para quando se fizer o tratamento o organismo levar um choque de iodo, que vai funcionar melhor. durante um tempo comeu tudo sem sal e os rotulos das embalagens eram lidas à lupa... O tratamento de iodo correu muito bem e nem foi preciso um segundo que ás vezes é necessário. Depois do tratamento mandam beber muita água, a pessoa fica isolada, pq fica radioactiva e é perigoso especialmenta para as crianças. Ela bebeu o dobro da água que mandaram estava sempre no WC, mas o certo é que precisou de metade do tempo para limpar da radioactividade perigosa, foi tão bom ela poder ver os filhos antes do previsto, Foi mesmo bom.
Por isso muita força tudo irá passar.
Abraço
Sandra Soares